Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos

Juros

TAXA SELIC

O excesso do conservadorismo do Copom (Comitê de Política Monetária), que, novamente, manteve a taxa Selic em patamar elevado, reafirma que este governo presta um desserviço à classe trabalhadora e à sociedade brasileira ao apostar todas as suas fichas, mais uma vez, no fraco desempenho da economia.

Ressaltamos que os juros nas alturas inibem os investimentos e a geração de novos postos de trabalho. E precisamos, urgentemente, combater de forma eficaz o desemprego.

Reiteramos que o governo, ao adotar uma política econômica que, por um período de alguns meses, reduziu os juros no estilo “conta-gotas” e, nas últimas reuniões, decidiu por conservar a taxa nos atuais 6,5% ao ano, atendeu única e tão somente aos interesses dos banqueiros e dos grandes especuladores.

A taxa Selic continua extremamente proibitiva e, mais uma vez, o Brasil, em razão do excessivo conservadorismo daqueles que dirigem a economia do País, deixa escapulir uma excelente oportunidade de apostar todas as suas fichas no setor produtivo.

O governo precisa, nas próximas reuniões do Copom, adotar uma política contundente de redução da taxa Selic. Só assim, com empreendedorismo e ânsia de fazer com que o País retome o caminho de seu crescimento econômico, os investimentos no setor produtivo irão ressurgir, a produção nacional vai ser impulsionada a um patamar mais elevado e, consequentemente, mais postos de trabalho formais serão gerados, diminuindo, desta forma, a informalidade, e fazendo com que o Brasil volte a caminhar, a passos largos, rumo ao seu desenvolvimento pleno.

Miguel Torres
presidente da Força Sindical

João Carlos Gonçalves, Juruna
secretário-geral da Força Sindical

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS