Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos

Metalúrgicos de Osasco/SP

Mutirão organiza metalúrgicos de Alphaville e Carapicuíba por uma Campanha Salarial forte

Com a força que o momento exige, o Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco e Região iniciou nesta quarta-feira, 30, o mutirão de assembleias da Campanha Salarial nas fábricas localizadas em Alphaville, Carapicuíba e Tamboré. A ação mobilizou diversos metalúrgicos pela pauta de reivindicações. Dentre eles, os que trabalham na Nylok, JL Capacitores, Engematex, Eltra, Dormakaba, Syntegon, Bosch, SP Tech e Nuctech.

A categoria reivindica aumento real e ampliação de direitos, incluindo valorização do piso salarial. A luta também é pela renovação das cláusulas da Convenção Coletiva.

“Tivemos uma forte participação nesta primeira fase do mutirão, isso só comprova que os trabalhadores compreendem a importância de mantermos a nossa Convenção Coletiva forte, de ampliarmos os nossos direitos e de conquistarmos um bom aumento salarial”, explica Alex da Força, que coordena a mobilização dos metalúrgicos em Alphaville e Carapicuíba.

Pauta forte

Neste ano, a pauta de reivindicações da categoria está ainda mais forte. Entre as prioridades estão a defesa do emprego, a renovação da Convenção Coletiva, a inclusão de cláusulas específicas sobre home office e preservação contra a covid-19, ganho real nas cláusulas econômicas, e a defesa do SUS (Sistema Único de Saúde).

“Nós nunca tivemos uma Campanha Salarial fácil, sempre enfrentamos muitos obstáculos e neste ano não será diferente. Por isso temos que ficar atentos e reforçar nossa mobilização e, consequentemente, nosso poder de negociação”, destaca o presidente do Sindicato, Jorge Nazareno.

Para isso, o mutirão de assembleias vai seguir para mostrar a disposição de luta. “Não vamos aceitar desculpas que têm a intenção de rebaixar e precarizar os nossos direitos. Vamos envolver cada vez mais companheiros na luta porque só assim vamos avançar nesta Campanha”, disse o secretário-geral do Sindicato, Gilberto Almazan, presidente eleito para a próxima gestão da entidade.

A movimentação realizada nas fábricas também colabora para pressionar os grupos patronais a abrirem as negociações. A nossa data-base é em 1º de novembro, até lá a mobilização seguirá firme. Nesta quinta-feira, o mutirão de assembleias vai passar pelas fábricas de Osasco.

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS