Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos

Artigo

Hora de união

João Guilherme Vargas Netto
consultor de entidades sindicais de trabalhadores

Embora os terraplanistas neguem, a humanidade e, portanto, os brasileiros atravessam uma grave crise.

A pandemia se alastra provocando um severo desarranjo na vida das pessoas e forçando cada sociedade (e seus governantes responsáveis) a adotar medidas visando sua contenção e a diminuição de sua letalidade.

Aqui no Brasil não pode ser diferente. O que tem sido diferente é o comportamento do presidente da República que, com palavras e ações, desrespeita as orientações do ministério da Saúde e dos responsáveis pelas medidas contra a Covid-19.

Em cada país, com ritmos diferentes, também são tomadas medidas que visam resguardar e proteger a vida produtiva dos trabalhadores e diminuir o impacto econômico negativo da doença.

Com atraso o ministro da Economia brasileiro anunciou um conjunto de medidas que vão na direção correta, mas ainda são insuficientes e alongadas no tempo, manchadas pela obsessão com as reformas e com as privatizações.

O movimento sindical representado pelas centrais apresentou para os trabalhadores, para a sociedade e para o governo um rol de medidas para se enfrentar emergencialmente a crise provocada pela pandemia e a crise na economia.

A primeira e mais contundente destas é a exigência de gastos estatais emergenciais para a saúde coletiva com o fortalecimento do SUS e apoio a seus profissionais.

Em cada sindicato com seus acordos e convenções coletivas os dirigentes devem garantir a vigência das cláusulas dos planos de saúde que podem, por uma miopia egoísta dos patrões, ser desrespeitadas.

Mas o movimento sindical compreendeu na crise que, além destes planos privados, o interesse coletivo exige, emergencialmente e estruturalmente, o fortalecimento do SUS que atende a todos – formais e informais, uberizados ou desempregados.

Alguns sindicatos como instituições vivas e relevantes da sociedade começam a tomar medidas de contenção de suas atividades presenciais sem abandonar a preocupação com a defesa coletiva dos profissionais como fizeram, por exemplo, o Sinpro e a Fepesp dos professores das redes privadas de São Paulo e o Sintetel dos telefônicos.

É hora de união, de persistência e solidariedade.

João Guilherme Vargas Netto
consultor de entidades sindicais de trabalhadores

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS