Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos

Artigo

Viva o Sindicato dos Engenheiros

João Guilherme Vargas Netto

O Sindicato dos Engenheiros de São Paulo comemorou ontem, dia 25, os seus 85 anos de existência com grande evento festivo e com o lançamento de um livro sobre sua história produzido e editado por seu departamento de comunicação.

À comemoração acorreram, a convite pessoal e insistente do presidente Murilo Pinheiro, inúmeras personalidades do mundo político, judicial, acadêmico, associativo e empresarial, bem como as presidências de quatro centrais sindicais (UGT, CTB, CSB e Força Sindical) e várias outras representações de trabalhadores.

O plenário, cheio, acomodou os presidentes de todas as 25 delegacias sindicais do Estado, os diretores da entidade e os ativistas e amigos do sindicato e todos ao final foram surpreendidos agradavelmente com um coquetel (que, diga-se de passagem, foi patrocinado sem que o sindicato tivesse um custo adicional proibitivo nas circunstâncias atuais).

Durante a cerimônia foram homenageados os ex-presidentes demonstrando simbolicamente a unidade de ação persistente das diretorias que se sucederam ao longo do tempo.

O SEESP, provavelmente um dos maiores sindicatos de engenheiros do mundo, tem uma rica história.

Fundado em 1934, impulsionado pelo patriarca da engenharia Roberto Simonsen, foi resultante de dois vetores contraditórios: o da Revolução de 30, com Getúlio Vargas e as novas leis trabalhistas e o da Rebelião Constitucionalista de 1932, com a elite empresarial paulista.

Ao longo da história e, principalmente, depois da Renovação Democrática dos anos 80 o sindicato se caracterizou pela busca e efetivação de negociações coletivas com grandes empresas e com a FIESP, pela representação efetiva da totalidade dos engenheiros do Estado, pela luta vitoriosa pela qualificação dos profissionais e em defesa da engenharia associada ao desenvolvimento econômico, ao combate às desigualdades e à inovação (cuja grande expressão é o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento que se desenvolve e se renova desde 2006), bem como pela crescente oferta de serviços aos profissionais.

Renova-se também pelo peso adquirido pelos jovens engenheiros e estudantes na vida atual da entidade, que, diferentemente de um indivíduo de 85 anos, tem hoje o vigor da maturidade para enfrentar os desafios que são muitos.

João Guilherme Vargas Netto, consultor sindical de entidades de trabalhadores

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS