Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos

Metalúrgicos de Piracicaba/SP

Sindicato dos Metalúrgicos e ex-trabalhadores do Grupo Dedini protestam pelas ruas da cidade

Mateus Medeiros

O Sindicato dos Metalúrgicos de Piracicaba juntamente com os ex- trabalhadores do grupo Dedini realizaram, na manhã do dia 6 de maio, um protesto em frente à Justiça Federal, na Vila Rezende, para que o juiz determine que o valor da venda do imóvel do terreno do estacionamento do Shopping Piracicaba avaliado em R$ 15,8 milhões, seja revertido para o pagamento dos trabalhadores e não para os débitos da empresa.

Segundo Wagner da Silveira, Juca, secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos de Piracicaba, “queremos que o juiz veja a situação desses trabalhadores, pois muitos enfrentam sérias necessidades. São contas de água, luz, telefone para pagar e muitos não têm mais o que comer em casa”, disse. 

Após o ato, cerca de 200 ex- trabalhadores com faixas e cartazes saíram pelas ruas do bairro e caminharam até a casa de um dos acionistas do grupo Dedini. O trânsito ficou parado, e a polícia foi chamada, mas não houve conflito.

De acordo com Eduardo Gozzer, Pé, diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Piracicaba, “é um protesto pacifico. Os ex- trabalhadores do Grupo Dedini apenas querem mostrar para a população todos os problemas que eles têm  enfrentado diariamente”, disse.

A Dedini já demitiu mais de 1000 trabalhadores tanto de Piracicaba como de Sertãozinho (SP) e não realizou o pagamento das verbas rescisórias. Em créditos trabalhistas a dívida da empresa gira em torno de R$ 40 milhões.  A Dedini também não cumpre com o pagamento de férias, FGTS, há atrasos de salários, dentre tantos outros problemas.

O Grupo Dedini está em processo de recuperação judicial, mas de acordo com o Sindicato, a empresa veem se escondendo atrás do processo da recuperação. Existem empresas que estão fora do processo e que são suficientes saudáveis para garantir o pagamento dos trabalhadores. Os proprietários também têm bens disponíveis, o que daria para quitar a dívida dos trabalhadores. 

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Sertãozinho Samuel Marqueti, também participou da manifestação. “Os trabalhadores foram às ruas para reivindicar os seus direitos, pois esta situação já se tornou insustentável. A atitude dos acionistas do Grupo Dedini está a cada dia pior”, destacou. 

O Sindicato dos Metalúrgicos de Piracicaba irá realizar mais manifestações. Na próxima sexta-feira (13/05), às 8 horas, os ex- trabalhadores se reunirão no Clube recreativo da entidade (Av. Dois Córregos, 3110), para definir em qual casa dos acionistas o protesto será realizado. “As manifestações continuarão até a empresa resolver a situação dos trabalhadores”, disse Wagner da Silveira, Juca, secretário-geral do Sindicato.

Por Érica Veríssimo
Assessoria de Imprensa

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS