Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos

Desenvolvimento Econômico

Em encontro no BNDES, Força Sindical debate projeto de Brasil para 2035

Assessoria de Imprensa BNDES

A vice-presidente da CNTM e do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco, Mônica Veloso, participou, na terça-feira, 20, da Conferência Visão 2035: Brasil Desenvolvido, promovida pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Mônica representou a Força Sindical no evento, que discutiu políticas públicas e estratégias para que o Brasil passe a ser considerado um país desenvolvido no ano de 2035.

A Conferência reuniu representantes do governo, centrais sindicais e empresariais, que conheceram o documento resultante de um debate técnico realizado em 5 de março, entre 145 representantes de mais de 60 instituições. O documento apresenta cenários possíveis e agendas setoriais para alcançar a meta.

No cenário ideal, o Brasil cresceria 3,9% ao ano, até 2035. Na área de mineração e metalurgia, para isso acontecer seriam necessários investimentos entre R$ 13 e R$ 20 bilhões ao ano, crescimento de consumo de 7%. Porém, Mônica enfatizou que não é possível pensar somente em números e resultados que interessem aos empresários. “Não tem como falar em desenvolvimento se não falar em capital humano, nos trabalhadores. Qual é o futuro do trabalho? Se os empresários estão falando que é o trabalho intermitente, não concordamos”, defendeu Mônica no encontro.

Em conjunto com as centrais, a Força Sindical apresentou preocupações em relação ao momento das relações de trabalho e das políticas públicas, que comprometem qualquer possibilidade de alcançarmos um estágio de desenvolvimento. “É difícil projetar um país desenvolvido quando você tem o corte de 20% dos recursos para Saúde e Educação e um problema crônico de analfabetismo funcional”, detalhou Mônica.

As centrais ainda destacaram a necessidade de ampliar as condições de qualificação dos trabalhadores para que sejam capazes de se empregar na indústria 4.0, focada na tecnologia, especialmente na inteligência artificial. “O BNDES não pode pensar em desenvolver nichos que só pensam em desempregar”, reforça Mônica. [por Assessoria de Imprensa do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco, com CNTM e BNDES]​

Assessoria de Imprensa BNDES

Assessoria de Imprensa BNDES

Entidades convidadas:
Confederação Nacional da Indústria – CNI, Confederação Nac. do Comércio de Bens, Serviços e Turismo – CNC, Confederação da Agricultura e Pecuária – CNA, Confederação Nacional do Transporte – CNT, Força Sindical, União Geral dos Trabalhadores – UGT, Central Única dos Trabalhadores – CUT, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística –IBGE, Frente Nacional de Prefeitos – FNP, Tribunal de Contas da União – TCU, Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESP, Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais – FIEMG, Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Agência Brasileira de Desenvolvimento – ABDE, Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE, Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia – SUDAM, Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste – SUDENE, Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste – SUDECO, Exército Brasileiro,Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA, Associação Brasileira de Zonas de Processamento de Exportação – ABRAZPE.

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS