Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos

Metalúrgicos de São Paulo/SP

Miguel Torres participa na OAB/SP de audiência que condenou a reforma trabalhista do governo


O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e da CNTM, Miguel Torres, vice da Força Sindical, participou na sexta, 10 de fevereiro, da abertura da audiência pública da reforma trabalhista promovida pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)-SP em seu auditório na rua Maria Paula, centro de São Paulo. 

O diretor Rodrigo de Morais e a advogada do Departamento Jurídico do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Liliam Pascini, acompanharam a audiência que contou grande número de advogados e dirigentes sindicais.


Quando Admilson Moreira, representante do Ministério do Trabalho, defendeu a reforma e disse que ela vai dar mais autonomia aos sindicatos para avançar nas relações capital e trabalho, o presidente do TRT/2ª Região em SP, o desembargador Wilson Fernandes, contestou: “se a reforma é para ampliar direitos, ela é desnecessária, pois a própria legislação vigente permite situações mais vantajosas para os trabalhadores. Reformas que tiram direitos não geram emprego muito menos crescimento econômico, já que o trabalhador é o grande consumidor na base da economia”, disse.

Agressões – Miguel Torres diz que o Fórum Interinstitucional de Defesa do Direito do Trabalho e da Previdência Social, instituído pelo Ministério Público do Trabalho, já pediu a retirada do projeto de lei 6787/2016, que trata da “reforma” trabalhista. “Esta pseudo-reforma segue a pauta da CNI (Confederação Nacional da Indústria) e, infelizmente, maus empresários aproveitam a recessão no País para tentar restringir e retirar direitos trabalhistas. Mas estamos na luta, mobilizados, para combater esta ‘reforma’ trabalhista e outras agressões que estão sendo cometidas contra a classe trabalhadora”, diz Miguel Torres.

Próximo passo: o presidente da CNTM participará da reunião do Fórum Interinstitucional de Defesa do Direito do Trabalho e da Previdência Social, na sede da Procuradoria-Geral do Trabalho, em Brasília, na segunda, 13 de fevereiro.

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS