Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos

CNTM

Governo e protestos

Todo governo é questionado pela população. Essa postura crítica do cidadão pode até desagradar o governante, mas faz bem à democracia, se a contestação for pacífica e construtiva.

Um governante quando contestado, e se essa contestação for numerosa e geral, como está ocorrendo hoje no Brasil, precisa fazer um exame de consciência e ver onde está errando. Feito isso, o governante deve mudar sua postura e adotar medidas que atendam às demandas da população.

A respeito de Dilma, é sabido que se trata de pessoa inflexível, que toma decisões e não volta atrás. Sabe-se, porém, que a presidente é inteligente e vivida o suficiente para saber que a hora é de diálogo – com o Congresso Nacional, os partidos, o empresariado, o sindicalismo e todas as demais instituições e forças com representatividade.

Atos, protestos e manifestações serão sempre um meio para se atingir certos fins. Um desses fins, claramente, é uma firme política de Estado de combate duro à corrupção; outro é a reforma política. O sistema político atual está muito desgastado e sofre grande rejeição por parte dos brasileiros.

O Brasil de hoje acumula dois problemas sérios. Um é o desaquecimento da economia, que afeta o setor privado e paralisa obras públicas importantes, como o PAC, por exemplo. Outro é a desarmonia política, que impede a votação de matéria de interesse público e, pior ainda, pode possibilitar aprovação de projetos nocivos à população.

Somem-se a isso medidas erradas, do ponto de vista administrativo. Entre elas, o pacote de ajuste fiscal, que é lesivo aos trabalhadores, e a contínua subida da taxa de juros, que prejudica, ao mesmo tempo, o Estado, o setor privado e os cidadãos. Só ganham com isso o setor financeiro e os especuladores, ou seja, gente que já tem muito dinheiro.

Eu olho para o que ocorre no Brasil hoje e me lembro do que aconteceu na Argentina anos atrás. Lá, a insatisfação popular derrubou vários governos e, com isso, o país entrou em profunda e duradoura crise. Penso que esse exemplo deve nos iluminar, porque a quebra da ordem jurídica gera problemas em série a todo o País, prejudicando principalmente os mais pobres.

Nós, que temos mais experiência de vida e vivemos os anos de combate à ditadura, devemos procurar agir com racionalidade, nem adotando a defesa cega do governo, nem estimulando atos agressivos e desrespeitosos.

A sociedade, tirando os exageros de praxe, está usando seu legítimo direito de cobrar e contestar. Cabe ao governo – e a toda a classe política – não tardar com as respostas.

José Pereira dos Santos
Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região
E-mail: pereira@metalurgico.org.br
Facebok: www.facebook.com/PereiraMetalurgico
Blog: www.pereirametalurgico.blogspot.com

 

ENVIE SEUS COMENTÁRIOS